ROV é a abreviatura de Remotely Operated Vehicle, ROV é a inicial de Remote Operated Vehicle. Não existe tradução oficial no Brasil, mas esta poderia se dar como Veículo Operado Remotamente, ou de Veículo Operação Remota.

Trata-se de um submarino, não tripulado, cuja finalidade principal é de apoio às operações em poços de petróleo. O ROV é muito usado também em pesquisas submarinas em geral, inclusive busca aos destroços de embarcações naufragadas e pesquisa arqueológica subaquática.

Na indústria do petróleo é usado principalmente na operação de poços, manifolds, posicionamento, construção e inspeção, acompanha-mento do trabalho de mergulhadores, etc. Para que possa ser operado da superfície de navios ou plataformas submarinas, o ROV dispõe de computadores, cujos sinais são multiplexados entre a superfície e o veículo no fundo do mar. Normalmente são necessários piloto e co-piloto para as operações. Enquanto o piloto controla o veículo, o co-piloto cuida da operação dos braços, comunicação com a ponte de comando do navio ou plataforma, registro dos dados da operação etc.

Nos dias atuais é impossível extrair petróleo do fundo do mar sem essa ferramenta. O ROV tem múltiplas finalidades, desde a pesquisa e prospecção passando pela exploração e até na produção do ouro negro. Os equipamentos para a exploração e produção de petróleo já foram adaptados para serem instalados e operados por ROV´s. Para isso, o ROV usa ferramentas projetadas exclusivamente para atuarem como interfaces entre o operador na superfície e o equipamento no fundo do mar.

Os ROV´s usados na indústria do petróleo atualmente conseguem trabalhar em profundidades de 3.000 m (três mil metros) ou mais. No Brasil já se perfura nessa profundidade. Entre os sistemas que fazem parte de um ROV, podemos citar as lâmpadas, resistentes a grandes profundidades. Elas são necessárias porque em profundidades maiores que trezentos metros, a luz do sol não consegue penetrar, mesmo em dia ensolarado, com sol a pino.

O ROV é composto por câmeras de televisão ligadas a uma estrutura metálica que se pode movimentar graças às hélices ligadas a motores elétricos ou hidráulicos. O equipamento possui flutuador e braços que podem fazer movimento quase como se fosse um braço humano. Outro sistema embarcado no ROV é o SONAR. Sigla de língua inglesa que quer dizer "Sound Navagation And Ranging" e que é dividido em duas partes principais. A primeira é uma espécie de antena que fica no ROV. Sua finalidade é transmitir e receber o som numa freqüência inaudível ao ser humano. O som viaja e ao encontrar um alvo reflete de volta a mesma antena que capta este sinal, amplifica e transmite a superfície para que possa ser lido e interpretado pelo piloto no console de controle. A outra parte do sonar é justamente esta unidade da superfície onde o sinal é recebido e transformado em imagem no monitor do piloto.
Com o passar do tempo, o piloto ganha experiência suficiente para interpretar os sinais que aparecem no monitor do sonar e saberá dizer com precisão que tipo de estrutura tem na sua frente, antes mesmo que possa visualizar através das câmeras.

Os ROV´s podem ser divididos em duas grandes classes: ROV de observação (Observation ROV) e ROV de trabalho (Work Class). Os ROV´s de observação são, geralmente, menores que um metro cúbico e não dispõem de braços. Basicamente são câmeras que se movimentam operadas da superfície. Os ROV´s de trabalho, porém, são maiores, em torno de dois metros de altura por três de comprimento. Geralmente estes veículos chegam a pesar mais de três toneladas. Estes ROV´s possuem braços e podem carregar uma grande quantidade de ferramentas para intervenções nos poços e equipamentos submarinos.

Texto de: Marcos Valério Silva